quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

O pensamento existencialista: a forma como habitamos a nossa casa


Há uns tempos lia um livro que descrevia algumas casas e todo o pensamento inerente às mesmas.
Escolhi a casa existencialista por ser aquela com a qual mais me identifico e sobre a qual vou debatendo todos os dias sem sequer me aperceber.
A respeito desta casa, ilustrada por uma cabana na Floresta Negra, em Todtnauberg, Heidegger, o seu proprietário, terá desenvolvido muito do que compõe o seu pensamento arquitecto-filosófico. No inicio do capitulo é transcrita a explicação de Heidegger para o facto de preferir viver na "província", argumentando fortemente contra a vida inautêntica e desenraizada nas cidades.
Enquanto no século XIX e XX assistimos a um forte êxodo rural, em que a população fugia dos meios rurais para as grandes cidades em busca de melhores condições de vida e empregabilidade, no século XXI assistimos precisamente ao inverso, o êxodo urbano, isto é, a população tende a sair das cidades rumo às zonas rurais, onde encontram um escape e a tranquilidade para as suas stressantes rotinas.
Eu própria senti esta mudança num curto espaço de tempo e sobre a qual ainda reflicto. Saí de um meio rural rumo a uma grande cidade por forma a ter acesso a um curso superior. A minha adaptação a uma nova rotina foi fácil, mas tenho conhecimento de casos em que essa adaptação não foi tão simples: pela agitação, pela dificuldade em fazer novas amizades, pelo tempo que se perde em deslocações, só pelo simples facto de não se encontrarem na sua zona de conforto, era um grande entrave para que uma boa experiência, aquela de sair de casa dos pais e finalmente ser-se visto como um adulto responsável, se tornasse numa má experiência.
Com o curso terminado, voltei à terra natal e adaptação não foi fácil. O vazio que sentia, a agitação que faltava, as amizades que ficaram para trás, ... Voltei à calma, à tranquilidade, a uma rotina sem grandes preocupações, no entanto, houve uma parte de mim que ficou na grande cidade.
Tendo voltado à minha casa, comecei a repensar o espaço que me acolhe todos os dias, supostamente o meu porto de abrigo, a sua envolvência, as pessoas com quem me cruzo todos os dias e cujo nome sei.
Chego à conclusão que as pessoas no geral não sabem habitar as suas "quatro paredes", talvez por não perceberem o espaço e aquilo que podem fazer com ele ou simplesmente por falta de tempo.